Porquê limitar mandatos?

A perpetuação de líderes políticos fere a democracia local. Sem renovação de lideranças não se formam novos quadros capazes de contribuir para o desenvolvimento dos municípios, geram-se dinâmicas de entropia e falta de dinamismo, acentuam-se os vícios do poder na gestão dos recursos públicos, na prestação de contas e na transparência. Dilui-se o poder da sociedade civil em função da vontade do chefe.

Reconhecendo esses impactos, o Parlamento decidiu em 2005 limitar a três os mandatos consecutivos que um presidente de Câmara pode exercer . Em 2013, muitos dinossauros do poder local foram finalmente afastados dos cargos que ocupavam há vários anos – às vezes há décadas.

Mas há dinossauros que nenhum meteoro consegue extinguir. Este ano estão de volta alguns dos históricos do poder local – procurando voltar às Câmaras onde foram felizes ou, como “lagartos terríveis” em busca de alimento, tentando a sorte em novos municípios.